sexta-feira, 7 de setembro de 2018

CONHECENDO O INIMIGO


Como dissemos anteriormente, estaremos transferindo as postagens referentes ao Tema "Reencarnação- Farsa ou Realidade?" que haviam sido postados no blog "Procurando os perdidos".
Seguiremos a mesma sequência da anterior.
Ao longo das postagens deixe seus comentários, pois serão de grande valia para buscarmos o verdadeiro entendimento do que a Palavra de Deus fala acerca dessa crença que no nosso entendimento é o que move toda a discussão em torno da Doutrina Espírita.



CONHECENDO O INIMIGO

Muitos têm sido enganados por aquele que não conhece outra maneira de subjugar o homem que não seja através da mentira, do engodo, da discórdia, da dissolução e demais imperfeições humanas pelas quais nos deparamos em nossa convivência diária com cristãos ou não cristãos.
Para irmos a uma batalha, será necessário obtermos o maior número de informações possíveis acerca do nosso adversário: seu modo de agir, as armas que dispõe, o tamanho de seu poderio militar, as estratégias de ataque e defesa, as suas limitações, pontos fracos e assim por diante.
Se essa situação ocorre quando pretendemos enfrentar um inimigo visível, palpável, conhecido de muitos, imaginem quais os cuidados que devemos ter para enfrentar alguém que não podemos ver, nem apalpar; alguém de quem já ouvimos falar, mas que tem a sua forma e métodos de ação desconhecidos da grande maioria.
É desse inimigo espiritual, que apesar de não conhecermos a sua forma “física”, podemos aprender acerca de seus métodos e sistemas usados na destruição de tantas almas valorosas para o Senhor Jesus, que procuraremos discorrer nas páginas seguintes.
Que o Espírito Santo de Deus possa capacitar-nos para tão importante tarefa, pois nosso desejo é o de descortinar o véu que vem cobrindo a visão de tantas pessoas no mundo, de tantas almas que precisam ser resgatadas para Cristo, pois por elas Ele pagou um alto preço, bastando apenas que elas compreendam isso para serem resgatadas em definitivo para a Glória do Senhor.

1-     O INIMIGO- SUA EXISTÊNCIA

Antes de iniciarmos nossa analise sobre a existência de Satanás, apresentamos abaixo o que pensam os espíritas acerca de sua existência.
Assim como faremos ao longo desse trabalho transcreveremos a posição da Doutrina Espírita acerca dos tópicos que serão analisados à luz da Palavra de Deus, a Bíblia.
Para nós que somos nascidos de novo Ela é a nossa regra de fé e prática e por tanto é a Palavra do próprio Deus a nós, que utilizando-se de homens divinamente inspirados deixou ali registrado tudo aquilo que o Senhor deseja que tenhamos conhecimento, tanto para nosso crescimento espiritual, quanto para nos aproximarmos e nos religarmos à Ele.
No decorrer das páginas seguintes você tomará conhecimento do pensamento e da prática dos adeptos da Doutrina Espírita e comprovará por si mesmo que elas contradizem firmemente o que nos afirma a Palavra de Deus acerca de seus dogmas, principalmente no que diz respeito às reencarnações sucessivas como sendo a mais perfeita justiça de Deus em relação aos espíritos pecadores, quer vivam eles no mundo espiritual (espíritos propriamente ditos), quer vivam no mundo material (seres humanos).

DEMÔNIO (do lato Demo., provindo do gr. daimon,  gênio, sorte, destino,manes). Daemones, tanto em grego como em latim, se diz dos seres incorpóreos, bons ou maus, aos quais se atribuem conhecimentos e poder superiores aos do homem.
Nas línguas modernas, o termo é geralmente tomado no mau sentido e sua acepção se limita aos gênios malfazejos. Segundo a crença vulgar, os demônios são seres essencialmente maus por natureza.
Ensinam-nos os Espíritos que Deus, sendo soberanamente justo e bom, não poderia ter criado seres votados ao mal e infelizes por toda a eternidade; ainda de acordo com eles não há demônios na absoluta e restrita acepção da palavra; o que há são apenas Espíritos imperfeitos, que podem melhorar-se por vontade e esforços próprios. Se o termo não implicasse a idéia de uma natureza perpetuamente má, os Espíritos da nona classe poderiam ser considerados como verdadeiros demônios.

DIABO (do gr. diabolos, delator, acusador, maldizente, caluniador) . É, segundo a crença vulgar, um ser real, um anjo rebelde, chefe dos demônios, com um poder muito grande para lutar contra o próprio Deus.
Conhece os nossos mais íntimos sentimentos, insufla as más paixões e toma diferentes formas para nos induzir ao mal.
O diabo, de acordo com a doutrina dos Espíritos acerca de demônios, é a personificação do mal; é um ser alegórico, que resume em si as más paixões de Espíritos imperfeitos. Assim como os Antigos davam às divindades alegóricas atributos especiais: ao Tempo uma foice, uma
ampulheta, asas e a figura de um velho; à Fortuna uma venda nos olhos e uma roda num dos pés, etc., assim também o diabo teve que ser representado com os traços característicos da baixeza dos sentimentos. Os cornos e a cauda são emblemas da bestialidade, isto é da brutalidade das paixões animais. (Introdução ao estudo da Doutrina Espírita- 1ª Ed. LAKE- pgs 6, 7)


“131. Há demônios, no sentido que se dá a esta palavra?
“Se houvesse demônios, seriam obra de Deus. Mas, porventura, Deus seria justo e bom se houvera criado seres destinados eternamente ao mal e a permanecerem eternamente desgraçados? Se há demônios, eles se encontram no mundo inferior em que habitais e em outros semelhantes. São esses homens hipócritas que fazem de um Deus justo um Deus mau e vingativo e que julgam agradá-lo por meio das abominações que praticam em seu nome.”
A palavra demônio não implica a idéia de Espírito mau, senão na sua acepção moderna, porquanto o termo grego daïmon, donde ela derivou, significa gênio, inteligência e se aplica aos seres incorpóreos, bons ou maus, indistintamente.
Por demônios, segundo a acepção vulgar da palavra, se entendem seres essencialmente malfazejos. Como todas as coisas, eles teriam sido criados por Deus. Ora, Deus, que é soberanamente justo e bom, não pode ter criado seres prepostos, por sua natureza, ao mal e condenados por toda a eternidade. Se não fossem obra de Deus, existiriam, como Ele, desde toda a eternidade, ou então haveria muitas potências soberanas.
A primeira condição de toda doutrina é ser lógica. Ora, à dos demônios, no sentido absoluto, falta esta base essencial. Concebe-se que povos atrasados, os quais, por desconhecerem os atributos de Deus, admitem em suas crenças divindades maléficas, também admitam demônios; mas, é ilógico e contraditório que quem faz da bondade um dos atributos essenciais de Deus suponha haver Ele criado seres destinados ao mal e a praticá-lo perpetuamente, porque isso equivale a Lhe negar a bondade. Os partidários dos demônios se apóiam nas palavras do Cristo. Não seremos nós quem conteste a autoridade de seus ensinos, que desejáramos ver mais no coração do que na boca dos homens; porém, estarão aqueles partidários certos do sentido que ele dava a esse vocábulo? Não é sabido que a forma alegórica constitui um dos caracteres distintivos da sua linguagem? Dever-se-á tomar ao pé da letra tudo o que o Evangelho contém?
Não precisamos de outra prova além da que nos fornece esta passagem: “Logo após esses dias de aflição, o Sol escurecerá e a Lua não mais dará sua luz, as estrelas cairão do céu e as potências do céu se abalarão. Em verdade vos digo que esta geração não passará, sem que todas estas coisas se tenham cumprido.”
Não temos visto a Ciência contraditar a forma do texto bíblico, no tocante à Criação e ao movimento da Terra? Não se dará o mesmo com algumas figuras de que se serviu o Cristo, que tinha de falar de acordo com os tempos e os lugares? Não é possível que ele haja dito conscientemente uma falsidade. Assim, pois, se nas suas palavras há coisas que parecem chocar a razão, é que não as compreendemos bem, ou as interpretamos mal.
Os homens fizeram com os demônios o que fizeram com os anjos. Como acreditaram na existência de seres perfeitos desde toda a eternidade, tomaram os Espíritos inferiores por seres perpetuamente maus. Por demônios se devem entender os Espíritos impuros, que muitas vezes não valem mais do que as entidades designadas por esse nome, mas com a diferença de ser transitório o estado deles. São Espíritos imperfeitos, que se rebelam contra as provas que lhes tocam e que, por isso, as sofrem mais longamente, porém que, a seu turno, chegarão a sair daquele estado, quando o quiserem.
Poder-se-ia, pois, aceitar o termo demônio com esta restrição. Como o entendem atualmente, dando-se-lhe um sentido exclusivo, ele induziria em erro, com o fazer crer na existência de seres especiais criados para o mal.
Satanás é evidentemente a personificação do mal sob forma alegórica, visto não se poder admitir que exista um ser mau a lutar, como de potência a potência, com a Divindade e cuja única preocupação consistisse em lhe contrariar os desígnios. Como precisa de figuras e imagens que lhe impressionem a imaginação, o homem pintou os seres incorpóreos sob uma forma material, com atributos que lembram as qualidades ou os defeitos humanos. É assim que os antigos, querendo personificar o Tempo, o pintaram com a figura de um velho munido de uma foice e uma ampulheta. Representá-lo pela figura de um mancebo fora contra-senso. O mesmo se verifica com as alegorias da fortuna, da verdade, etc. Os modernos representaram os anjos, os puros Espíritos, por uma figura radiosa, de asas brancas, emblema da pureza; e Satanás com chifres, garras e os atributos da animalidade, emblema das paixões vis. O vulgo, que toma as coisas ao pé da letra, viu nesses emblemas individualidades reais, como vira outrora Saturno na alegoria do Tempo.” (O Livro dos Espíritos- Pergunta nº 131- Pgs 100-102- 76ª Ed. 1944- FEB)

O inimigo existe ou não existe? É uma invenção humana ou uma entidade espiritual real?

Infelizmente, o inimigo é real e está por aí colocando a perder muitas vidas. Isso tem ocorrido porque preferimos nos colocar na condição de incrédulos para não assumirmos responsabilidades, para não empunharmos as armas contra esse inimigo que, segundo a Palavra de Deus, já está com seus dias contados.
Ele existe, é real, e podemos verificar através da Bíblia, que é a Palavra de Deus, essa verdade.
Em Ezequiel 28.13-19, diz a Palavra de Deus que ele, o diabo, já estivera no jardim do Éden, estava coberto de glória; era um querubim da guarda e perfeito desde a criação, até que a sua iniquidade fez com que desejasse ocupar o lugar de Deus:

13  Estavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; de ouro se te fizeram os engastes e os ornamentos; no dia em que foste criado, foram eles preparados.
14 Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas.
15  Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti.
16 Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, fora do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras.
17  Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; lancei-te por terra, diante dos reis te pus, para que te contemplem.
18  Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio, profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu, e te reduzi a cinzas sobre a terra, aos olhos de todos os que te contemplam.
19  Todos os que te conhecem entre os povos estão espantados de ti; vens a ser objeto de espanto e jamais subsistirás.(Ezequiel 28.13-19)

Jesus fala da existência do inimigo em várias passagens:

parábola do joio em Mateus 13:38:

“o campo é o mundo; a boa semente são os filhos do reino; o joio são os filhos do maligno; o inimigo que o semeou é o diabo; a ceifa é a consumação do século e os ceifeiros os anjos”,

parábola do semeador em Lucas 8.12:

“ a que caiu à beira do caminho são os que a ouviram, vem a seguir o diabo e arrebata-lhes do coração a palavra, para não suceder que crendo, sejam salvos”;

ainda em Lucas 11.18:

“Se também Satanás estiver dividido contra si mesmo, como subsistirá o seu reino?”.
Existe na Palavra de Deus um grande número de passagens nas quais a existência do diabo é comprovada e citá-las aqui redundaria em um trabalho desnecessário, pois mesmo aqueles que negam a sua existência, muitas vezes o fazem sem ter nenhum conhecimento ou fundamento que consolidem sua posição.
Muitos dizem que ele não existe porque Deus, em Sua Infinita Misericórdia e Bondade, não criaria um ser totalmente voltado para o mal. Mas Deus não o criou para ser mal, porque tudo o que Deus criou e continua criando é sempre bom, tem uma finalidade definida, ou seja: Deus não cria nada inútil.
Como observamos em Ezequiel 28, ele, nosso inimigo, era um anjo de luz, mas em um determinado momento cresceu em seu coração o desejo de igualar-se a Deus e esse desejo fez com que em seu coração nascessem a chama da inveja, da prepotência e da soberba. Quando esses sentimentos chegam ao coração do homem e se transformam em ações vão aumentando como se fossem uma progressão aritmética. Muitas vezes, ao desejarmos um lugar não destaque em qualquer área de nossas vidas, começamos a passar por cima de inúmeros valores morais para consegui-lo. Dessa forma, não medimos as conseqüências de nossos atos para atingirmos o alvo desejado, pouco importando se vamos ferir ou não outras pessoas.
Mesmo diante da rebeldia, da queda de Satanás  e das conseqüências que adviriam dessa atitude, muitos anjos ainda ficaram ao seu lado em oposição a Deus. Ao serem expulsos da presença de Deus foram enviados a terra e aqui começaram a atuar no sentido de fazer com que o homem, criado à imagem e semelhança de Deus, também caísse, tendo também como conseqüência o afastamento da presença de Deus  e isso está mencionado na Palavra de Deus para que nos lembremos sempre que “o mundo inteiro jaz no maligno” (I João 5.19).
Mas essa rebeldia teria uma conseqüência ainda maior: a prisão de Satanás e de seus demônios.
Infelizmente isso ainda não ocorreu e por essa razão muitas almas ainda serão aprisionadas com eles, pois não atentaram para a palavra de alerta do Senhor.
Satanás existe e tanto é assim que chegou a tentar ao próprio Senhor Jesus, oferecendo-lhe inúmeras regalias e poder. As mesmas coisas que tem oferecido aos homens e estes, conscientemente ou não as têm aceitado e propagado.
Em Mateus 4.1-11, vemos a grande luta enfrentada pelo Senhor Jesus contra o inimigo. Jesus perseverou até o fim: jejuou, orou e a cada investida do diabo Ele usava a melhor arma que dispunha e que nós também temos hoje: a Palavra de Deus. Quando oferecia os seus manjares ao Senhor dizia que as coisas oferecidas estavam escritas na Palavra de Deus, e que elas seriam um direito que Ele como Filho de Deus teria e o Senhor rebatia dizendo: “também está escrito”.
Como Satanás poderia tentar contender com o Senhor se não existisse? Que significado tem então esta passagem? Fábula? Estória para assustar criancinhas que não querem comer ou ir ao dentista? Não! A luta enfrentada pelo Senhor foi com alguém vencido, mas real. Jesus sabia que os dias de Satanás estavam contados, mas mesmo assim precisou se preparar para a batalha com as armas que dispunha.
Paulo nos adverte como devemos proceder para enfrentarmos a Satanás e suas potestades:

“10 Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder.
11  Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo;
12  porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.
13  Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.
14 Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça.
15  Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz;
16 embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno.
17  Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;
18  com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos
19 e também por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mistério do evangelho,”(Efésios 6.10-19)
           
É muito importante nos conscientizarmos que o diabo, nosso adversário, é um ser espiritual real e que exerce sua influência maléfica no mundo material, no mundo físico, ou seja: no mundo no qual vivemos, e por isso temos que combatê-lo de forma espiritual. Precisamos conhecer as formas sutis de persuasão e dominação que ele tem utilizado para envolver a tantas pessoas e nações.

Diz a Palavra de Deus, que o diabo é:

a)      homicida (João 8.44), mentiroso (João 8.44)

44 Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.
45 Mas, porque eu digo a verdade, não me credes.(João 8.44,45).

b)     pecador contumaz (I João 3.8)

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo.”

c)      acusador (Apocalipse 12.9)

“ E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos.”

d)     adversário (I Pedro 5.8).


“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar;”

Continue nos acompanhando nesse estudo. Nosso próximo tema será: "Formas que o diabo usa para enganar".
Sempre juntos em Jesus
Antonio Carlos

FORMAS QUE O DIABO USA PARA ENGANAR



FORMAS QUE O DIABO USA PARA ENGANAR




459. Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?
“Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem.”
460. De par com os pensamentos que nos são próprios, outros haverá que nos sejam sugeridos?
“Vossa alma é um Espírito que pensa. Não ignorais que, freqüentemente, muitos pensamentos vos acodem a um tempo sobre o mesmo assunto, não raro, contrários uns dos outros. Pois bem! No conjunto deles, estão sempre de mistura os vossos com os nossos. Daí a incerteza em que vos vedes. É que tendes em vós duas ideias a se combaterem.”
466. Por que permite Deus que Espíritos nos excitem ao mal?
 “Os Espíritos imperfeitos são instrumentos próprios a por em prova a fé e a constância dos homens na prática do bem. Como Espírito que és, tens que progredir na ciência do infinito. Daí o passares pelas provas do mal, para chegares ao bem. A nossa missão consiste em te colocarmos no bom caminho. Desde que sobre ti atuam influências más, é que as atrais, desejando o mal; porquanto os Espíritos inferiores correm a te auxiliar no mal, logo que desejes praticá-lo. Só quando queiras o mal, podem eles ajudar-te para a prática do mal. Se fores propenso ao assassínio, terás em torno de ti uma nuvem de Espíritos a te alimentarem no íntimo esse pendor. Mas outros também te cercarão, esforçando-se por te influenciarem para o bem, o que restabelece o equilíbrio da balança e te deixa senhor dos teus atos.”
É assim que Deus confia à nossa consciência a escolha do caminho que devamos seguir e a liberdade de ceder a uma ou outra das influências contrárias que se exercem sobre nós. (O Livro dos Espíritos- Perguntas nº 459,460 e 466 - Pgs 246-248- 76ª Ed. 1944- FEB)

Muitas pessoas, simplesmente não querem acreditar na existência de um ser voltado totalmente para o mal. Um ser que é incapaz de amar ou de preocupar-se com quem quer que seja.
São tantas as referências sobre a existência do diabo na Palavra de Deus, que nos perguntamos: Por que, na Palavra de Deus, haveria tantas citações ao nome de alguém que não existe?
Já dissemos, embasados na Palavra de Deus, a Bíblia, que Satanás veio a esse mundo somente para enganar, acusar, etc. Mas como é que ele consegue executar seu plano de destruição e com que finalidade o põe em ação? De várias formas e com um único objetivo: fazer com que o homem se distancie de Deus e se desvie de Seu plano de salvação.
Talvez, você possa estar pensando que ele só consegue praticar suas ações com aquelas pessoas que se identificam com ele, ou seja, pessoas malvadas, pecadoras e totalmente voltadas para a satisfação dos prazeres mundanos, mas como veremos a seguir ele não procura destruir somente aqueles que nada querem com as coisas de Deus.
A sua luta é contra dois tipos de pessoas: crentes e descrentes.

2.1- LUTA CONTRA OS CRENTES

Diz-nos a Palavra de Deus, que Satanás tenta de todas as maneiras fazer com que os crentes se desviem da mesma e assim não procurem conduzir almas para Cristo. Podemos verificar isso em várias passagens.
a)    ele tenta fazer com que o crente profira mentira:
“Então, disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo?” (Atos 5.3)
Ananias e sua mulher Safira tinham uma propriedade e era comum no inicio da Igreja as pessoas venderem seus bens e disponibilizarem os recursos angariados para utilização na obra de evangelização.
Essa atitude não era uma obrigatoriedade para as pessoas que se convertiam, mas um desejo que brotava no coração dos novos crentes, que entendendo a necessidade da propagação do evangelho colocavam seus bens à disposição dos apóstolos e ninguém os obrigava a terem tal comportamento, ou seja, tudo era feito de forma espontânea. Era algo colocado pelo próprio Espírito Santo no coração daqueles homens e mulheres que passavam a considerar os bens materiais como nada, como refugo mesmo, diante da bênção que lhes estava reservada no céu.
Eles podiam ter oferecido parte do dinheiro levantado com a venda da propriedade que ninguém os condenaria, mas ao contrário, o diabo encontrou no coração deles a possibilidade do engano e foi isso que fizeram quando colocaram à disposição dos apóstolos somente uma parte do valor levantado.
Mas o problema maior, é que eles deram somente uma parte e se ufanaram, se engrandeceram, de tal maneira que disseram que o valor depositado correspondia ao total conseguido com a venda e procederam dessa maneira somente para conseguir a simpatia de todos, para que todos ficassem agradecidos com “tamanha generosidade” da parte deles.
Eles podiam enganar os apóstolos, porque esses estavam olhando-os com bons olhos, mas não poderiam enganar ao Espírito Santo de Deus e mesmo sabendo disso, tentaram enganá-Lo.
Quando a farsa foi descoberta e eles foram questionados sobre o motivo de procederem dessa maneira, ainda tentaram se esquivar, mas isso de nada adiantou, porque a Palavra de Deus nos fala em Provérbios 15.3 que “os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” e com essa atitude chamaram para si a morte.
Todos sabem qual deve ser o procedimento do verdadeiro cristão.
Quando tentado a mentir, deve resistir com todas as forças, mesmo que isso possa lhe ocasionar certo prejuízo financeiro, pois importa que falemos a verdade sempre.
Não existe meia verdade ou quase verdade. Se procurarmos falar 99,99% de verdade já estaremos falando uma mentira, pois ocultamos algo e “nada há encoberto que não haja de ser descoberto, nem oculto que não haja de ser conhecido”(Mateus 10.26).
Se formos apanhados em alguma mentira, seja ela grande ou pequena qual será o nosso testemunho diante das pessoas que nos conhecem ou até mesmo diante do mundo que nos cerca?
Certamente ficaremos tristes. Alguns, mesmo arrependidos, deixam de freqüentar a Igreja, de estudar a Palavra de Deus, de evangelizar e é isso que Satanás quer nos causar: embaraços para não levarmos a Palavra de Salvação aos perdidos desse mundo e deixar que o Senhor salve almas para o seu reino.

b)   ele acusa e difama:

“Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus.”(Apocalipse 12.10)
Um dos prazeres que Satanás tem é o de promover a discórdia no meio do povo de Deus.
Ele começa com pequenas fofocas e vai aumentando a intensidade até chegar ao ponto das acusações. Quando vê que seu objetivo foi alcançado, vai diante de Deus e começa a acusar aquelas pessoas, como a dizer que ele, Satanás, continua tendo poder e que aqueles que caíram não O (Deus) amavam tanto assim e muito menos O temiam e respeitavam, pois mesmo estando dentro da Igreja, no meio do povo de Deus, eles continuavam praticando as mesmas obras que estavam acostumados quando ainda eram mundanos.
Todos sabem que o Espírito Santo não acusa nem difama ninguém e muito menos tem prazer na queda de quem quer que seja, ao contrário, é desejo de Deus que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento como nos orienta o apóstolo Pedro em II Pedro 3.9.
“Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.”
O Espírito Santo orienta, mostra o caminho.
Satanás, ao contrário, acusa o tempo todo, fazendo com que nos distanciemos dos nossos irmãos e o que é pior, que nos distanciemos de Deus. Mas a cada acusação proferida pelo diabo, certamente, Cristo deve estar mostrando-lhe as marcas dos pregos em suas mãos e pés, como a dizer: “O preço já foi pago!”
c)    dificulta o trabalho:
“Por isso, quisemos ir até vós (pelo menos eu, Paulo, não somente uma vez, mas duas); contudo, Satanás nos barrou o caminho.” (I Tessalonicenses 2.18)
Quantas vezes desejamos “ardentemente” fazer algo em relação à obra de Deus e somos impedidos de inúmeras maneiras: um problema repentino que merece ser resolvido de imediato, uma visita inesperada, etc; e muitas vezes não percebemos que aquelas situações foram postas em nosso caminho pelo inimigo para nos atrapalhar, para evitar que fizéssemos a obra do Senhor.
Muitas vezes a estratégia para dificultar o nosso trabalho na obra de Deus é fazer com que nos sintamos incapazes de executar qualquer tarefa.
Ele faz com que a pessoa comece a questionar se determinados trabalhos serão ou não proveitosos para a Igreja e para o Reino de Deus e isso acaba levando irremediavelmente às divisões tão comuns no meio do povo de Deus.
Precisamos estar atentos para esses pequenos detalhes que podem colocar todo um trabalho a perder.
Há ainda várias formas usadas por Satanás para distanciar o homem do plano de Deus, tais como:
a)    imoralidade (I Coríntios 7.5),
“Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.”
b)   misturar o joio entre os crente (Mateus 13.38,39),
“o campo é o mundo; a boa semente são os filhos do reino; o joio são os filhos do maligno; o inimigo que o semeou é o diabo; a ceifa é a consumação do século, e os ceifeiros são os anjos.”
c)    perseguições religiosas (Apocalipse 2.10),
‘Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.’
d)   derrotas (Efésios 6.11,12)
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.”
e tantas outras que se fossem analisadas isoladamente certamente acabariam em livros.
2.2- LUTA CONTRA OS DESCRENTES
Tudo o que foi dito até o momento, foi no sentido de dar suporte às informações que serão analisadas daqui por diante, pois o número de crentes, evangélicos e protestantes, é muito pequeno em relação à grande maioria da população.
No Brasil, somos hoje, aproximadamente uns 40 milhões de evangélicos (segundo algumas fontes, mas nada oficial) aí incluídos até alguns que de evangélicos (cristãos “NASCIDOS DE NOVO”) nada têm: Testemunhas de Jeová, Adventistas do 7º dia, mórmons e tantos outros; e isso nos coloca quantitativamente em grande desvantagem em relação às outras religiões, e se isso pode significar um problema para nós, é uma festa para Satanás, pois, aproveitando a superstição e a idolatria do povo brasileiro fez aqui o seu campo de ação, espalhando o joio em meio ao trigo como nos disse o Senhor.
Mas se, quantitativamente, a luta é desigual, maior deve ser o nosso empenho no sentido de esclarecer as mentes incautas e ganhar essas almas para Cristo. Não devemos nos sentir impotentes diante dessas supostas dificuldades, pois através do Seu poder, o Senhor Jesus, nos reveste dia-a-dia com a armadura da fé para podermos sair vencedores desta batalha, que pode demorar aos nossos olhos, mas que já tem um vencedor: CRISTO JESUS, o nosso Senhor.
Durante muito tempo Satanás vem trabalhando a “cabeça” do povo brasileiro: igreja católica, sincretismos religiosos com cultos africanos, etc.
No intuito de evitar que essas pessoas sejam salvas ao reconhecerem o Senhorio de Jesus, como único e suficiente Salvador de suas vidas, ele cega o entendimento dessas pessoas; arrebatando de seus corações a Palavra que liberta e fazendo com que essas pobres criaturas continuem em fragrante oposição a Deus.
Vejamos as passagens abaixo para iniciarmos os nossos estudos:
“Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.” (II Coríntios 4.3,4)

“A (semente) que caiu à beira do caminho são os que a ouviram; vem, a seguir, o diabo e arrebata-lhes do coração a palavra, para não suceder que, crendo, sejam salvos” .(Lucas 8.12)
“Conheço o lugar em que habitas, onde está o trono de Satanás, e que conservas o meu nome e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha testemunha, meu fiel, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.” (Apocalipse 2.13)
Para tentar frustrar o plano de Deus para salvação do homem através do Seu Filho, Satanás tentou fazer com que várias pessoas boicotassem a crucificação de Cristo, cuja conseqüência seria a sua derrota final. Através da morte de Jesus na Cruz do Calvário os pecados de todos aqueles que aceitassem a Cristo como seu Senhor e Único Salvador seriam perdoados, por essa razão ele tentou evitar que a crucificação ocorresse, e é o que observamos quando Herodes ordenou que todos os meninos de dois anos para baixo fossem mortos (Mateus 2.16) ou quando o próprio Satanás tentou a Jesus, oferecendo-lhe coisas mundanas como: alimento, glória, poder, etc. (Mateus 4.1-11).
Ainda mais sutil foi a astúcia de Satanás ao fazer com que Pedro tentasse evitar que o Senhor fosse crucificado e assim não cumprisse o que a seu respeito havia sido profetizado ao longo de toda a Escritura:

“ Então, começou ele a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do Homem sofresse muitas coisas, fosse rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas, fosse morto e que, depois de três dias, ressuscitasse. E isto ele expunha claramente. Mas Pedro, chamando-o à parte, começou a reprová-lo. Jesus, porém, voltou-se e, fitando os seus discípulos, repreendeu a Pedro e disse: Arreda, Satanás! Porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens.” (Marcos 8.31-33.
É verdadeiramente incrível: ele aproveita a oportunidade deixada por Pedro, que estava demonstrando desconhecimento da Palavra (que é uma de nossas armas para combatê-lo) para promover discórdia e confusão, para que os demais discípulos se revoltassem e impedissem que a Palavra se cumprisse, e notemos ainda que Jesus estava a sós com os seus discípulos, daí imaginarmos a atmosfera de comunhão existente no local.
Isto nos mostra que apesar de não poder estar em dois lugares ao mesmo tempo; ele penetra em qualquer lugar onde deseje promover ilusão, confusão e com isso tentar enganar, se possível, “até os escolhidos”.
E foi pensando nisso que, movido pela sua astúcia, acabou estabelecendo no mundo uma religião que para muitos pode parecer despretensiosa, imaculada, sem defeitos, constituída de pessoas bondosas, amorosas, amantes da paz, caridosas e que procuram fazer a vontade do Pai, só que não pelos meios que Ele estabeleceu. Esta doutrina chama-se nos nossos dias: Espiritismo, mas é quase tão antiga quanto à humanidade.
O diabo sabia que não precisava se preocupar com as religiões africanas: candomblé, umbanda, quimbanda, etc; pois estão recheadas de ritos pagãos, completamente fora da Palavra de Deus, e conseqüentemente desviadas dos caminhos do Senhor e da salvação de suas almas, e próximos dos sofrimentos mencionados para Satanás e seus demônios.
A igreja católica também não constituía problema para ele, ela se afastou tanto da Palavra que passou a adotar, entre tantas aberrações, a prática da idolatria ao santos através das imagens em seus templos, comércio de indulgências, celibato, infalibilidade papal, etc.
Mas existia um grupo de homens que não concordava com toda essa idolatria, essa Babilônia que estava por aí; esse grupo era constituído de intelectuais de nações tidas como civilizadas e evoluídas, com projeção muito grande em seus países e fora deles.
Pessoas respeitadas, honestas, amantes da “verdade” e que desejavam consolar a tantos que sofriam. A esse grupo de pessoas começou ele a ministrar ensinamentos que após alguns anos se estenderiam para o nosso Brasil.
No desejo de dar respaldo a essa “nova” doutrina o inimigo procurou influenciar homens como Arthur Conan Doyle, Camille Flammarion, Leon Denis fossem buscar os seus fundamentos entre os rituais egípcios e de outras civilizações antigas com relação à preexistência da alma, etc.
Para liderar esses trabalhos de propagação levantou o pedagogo francês Hippolyte-Léon Denizart Rivail, cognominado Allan Kardec, que segundo ele mesmo afirma, teria sido em existência passada, um sacerdote druida, daí o adotar tal pseudônimo.
O povo ansiava por novos ensinamentos e a Europa era o local apropriado para tal tarefa. Um povo cuja dureza de coração era muito grande: a maior cultura da época, revolução industrial mexendo com a vida de todos e aí por em diante, e esse povo se questionava sobre como seria a vida após a morte.
Essa “nova” doutrina trazia a “consolação” para tantas almas ansiosas por justiça e igualdade social.
Pregava o amor incondicional a todas as criaturas, a recompensa pelas obras, a certeza da salvação para todas as pessoas, a continuação dos laços familiares após a morte e a mais incrível de todas: a volta do espírito ao corpo físico em existências posteriores para resgatar os delitos praticados nesta vida ou em anteriores.
Foi uma verdadeira revolução, mas como todo fogo de palha, não subsistiu por muito tempo em seu país de origem, mas foi exportada para onde Satanás mais queria, para nosso amado Brasil. Aqui encontrou solo fértil para crescer e se desenvolver, e isso têm ocorrido por causa do enorme envolvimento espiritual de nosso povo. Certamente, Deus tem uma grande obra para nosso país, por isso mereceu atenção especial do inimigo para incutir no coração desse povo essa nova doutrina.
Tudo o que foi dito até aqui pode parecer exagero, força de expressão ou simplesmente perseguição gratuita, mas o desejo que nos move é fazer o que estiver ao nosso alcance para esclarecer aos desavisados e impedir que sejam enganados como tantos já o foram no passado.
Existem doutrinas nas quais as pessoas envolvidas sabem que estão fazendo a vontade de Satanás, mas existem outras onde os seus praticantes muitas vezes nem percebem que o que está sendo pregado e praticado nada têm a ver com o que Deus espera daqueles que dEle se aproximam, devido a sutileza com que são levadas, esse é o caso da doutrina espírita.
Composta por um grande número de pessoas piedosas, estudiosos sinceros que pensam estar fazendo a vontade de Deus através das boas obras, mas que na verdade estão cada vez mais se distanciando dEle, pois não assumem o principal fundamento da salvação: o reconhecimento de que Jesus Cristo é o Filho de Deus e nosso Único e Suficiente Senhor e Salvador.

A partir do capítulo seguinte, passaremos a discorrer sobre as bases bíblicas que fundamentam a negação da doutrina espírita para que novas vidas sejam salvas e que o nome do Senhor Jesus seja Glorificado e Satanás e seus demônios sejam desmascarados.
Sempre juntos em Jesus
Antonio Carlos

FALSAS DOUTRINAS- Reencarnação ou Ressurreição?

O desejo do Inimigo de nossas almas em iludir aos homens não é novo, mas vem desde a criação do mundo, pois sabedor de sua condição de réu (tornou-se réu quando desejou ocupar o lugar de Deus e isso ocasionou a sua queda) primeiro enganou a mulher e através dela trouxe o pecado para o gênero humano.
A questão de comer a “maçã”, como muitos dizem, nada tem a ver com o fruto em si, muito menos com as árvores da mesma espécie, o problema central ali era o desejo que ele tinha em ludibriar o homem, tentando iludi-lo para que pensasse que poderia ser igual ao Criador e ter toda ciência do bem e do mal. 
A mulher aceitou a oferta e também o homem e desde então ele vem tentando obscurecer a visão desse mesmo homem quanto ao plano de salvação que Deus, em sua infinita misericórdia, já havia preparado. Deus, sendo onisciente, já sabia que o homem iria pecar antes mesmo de criá-lo.
Com a queda do homem, estabeleceu o inicio do plano que visava impedir que a humanidade conseguisse viver em plena comunhão com Deus. Ele sabia que o pecado faria separação entre Deus e o homem.
Ao longo dos séculos estabeleceu doutrinas e mais doutrinas, fazendo com que nos afastássemos cada vez mais de Deus.
Colocou em nossos corações o desejo de adorar vários deuses, animais, objetos, etc., fazendo com que ao nos envolvermos nesse tipo de adoração nos distanciássemos ainda mais de Deus.
A humanidade presenciou tudo isso e manteve-se com esses pensamentos até Deus levantar um homem, Abrão, e através dele colocar em prática o seu plano para salvar o gênero humano das garras de Satanás.
O que presenciamos nos dias atuais é exatamente o mesmo quadro que encontraríamos na época de Noé, Abraão, Jeremias e também de Jesus: a idolatria corre à solta em nossos lares, escolas, trabalhos, igrejas e por aí afora. Idolatramos nossa televisão, nossos rádios, nossos CDs, professores, pastores, padres, carros, etc.
Cada vez que nos envolvemos ou nos apegamos a essas doutrinas e passamos a adotar seus objetos, símbolos, expressões como manifestações espirituais no nosso dia-a-dia e as praticamos como sendo verdadeiras, afastamo-nos da Verdade e a Verdade segundo a Palavra de Deus, a Bíblia, é esta: “Eu (Jesus) sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” (João 14.6).Quando, na busca sincera de Deus, estamos conseguindo encontrar o Caminho, a nossa visão é bloqueada e nossos ouvidos tapados pelo inimigo de nossas almas para que não tenhamos a oportunidade de seguirmos por ele e alcancemos a tão almejada libertação.
Foram muitas as doutrinas implantadas pelo Inimigo em nosso mundo objetivando iludir o homem para que esse não conseguisse se reconciliar com o seu criador e com certeza muitas ainda virão, pois acerca disso já tínhamos a advertência do Senhor para que nos afastássemos delas e procurássemos permanecer no caminho correto, apesar dos “belos” atrativos que elas nos oferecessem:

Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.” (II Timóteo 4.3,4)
Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade.” ( Mateus 7.15-23)
“Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam e vos enchem de vãs esperanças; falam as visões do seu coração, não o que vem da boca do SENHOR. Dizem continuamente aos que me desprezam: O SENHOR disse: Paz tereis; e a qualquer que anda segundo a dureza do seu coração dizem: Não virá mal sobre vós.” ( Jeremias 23.16,17)

“Visto que andam enganando, sim, enganando o meu povo, dizendo: Paz, quando não há paz, e quando se edifica uma parede, e os profetas a caiam, dize aos que a caiam que ela ruirá. Haverá chuva de inundar. Vós, ó pedras de saraivada, caireis, e tu, vento tempestuoso, irromperás.” (Ezequiel 13.10,11)
O que temos presenciado hoje em matéria de religião, pregadas alegadamente em nome de Deus, não está de acordo com o que foi dito há tanto tempo e que figura nas Escrituras Sagradas com o modelo ideal para satisfazer as necessidades espirituais daqueles que desejam conhecer a Verdade.
Os cultos que se fazem a animais, gnomos, santos, etc.; são alguns dos meios empregados pelo inimigo para fazer com que os homens se afastem de Deus e da Sua Palavra. O Inimigo procura subverter a mente das pessoas para que aceitem as coisas mais absurdas propostas por ele como sendo naturais.Imagine a sua satisfação ao presenciar um ser, criado por Deus para o louvor de Sua Glória, ajoelhado em frente a imagens de barro, que representariam pseudo-servos de Deus. Com que satisfação deve observar pessoas esclarecidas olhando para estatuetas de figuras horrendas e sarcásticas conhecidas pelo nome de “GNOMINHOS” expondo seus problemas e desejos mais íntimos, esperando “receber” deles o consola para sua situação.
O sexo utilizado em qualquer lugar sem o menor receio de repressão por parte das autoridades, as drogas consumidas em todas as idades e camadas sociais, a prostituição generalizada e tudo feito em nome de uma liberdade satânica que nos é despejada como se fosse a manifestação da compreensão divina das deficiências humanas, e em nome dessa compreensão, dessa infinita misericórdia criou-se a pior de todas as doutrinas que visa afastar os homens da presença do Criador. Tem ela um nome pomposo e surgiu em um país de grande cultura, onde ainda estava quente o “fogo da revolução industrial”. Foi simples: trocaram-se algumas letras e deram-lhe novo significado: o vocábulo correto deveria ser RESSURREIÇÃO, mas resolveram chamá-lo de REENCARNAÇÃO.
QUE MARAVILHA!
Com certeza, deve ter dito aos seus demônios: “viram como foi fácil? Não custou muito, não é? Foi só mudarmos algumas letrinhas “insignificantes” e com isso faremos com que toda uma série de dogmas esquecidos venha à tona. Em cima dessa nova palavra, criarão inúmeras doutrinas e enquanto isso poderemos desfrutar da companhia de muitos homens que poderiam estar do outro lado”.Criada como uma forma de estabelecer a “justiça” divina, a doutrina das reencarnações sucessivas causou uma enorme confusão na mente e no coração dos homens. Ela conseguiu espalhar dogmas, fábulas, como se fossem verdades estabelecidas, tais como: através dela, todos os nossos defeitos poderiam ser corrigidos pelas reencarnações sucessivas e o pior de tudo: a possibilidade que ela nos dá de um dia podermos ser iguais a Jesus, que daria no mesmo que afirmarmos: sermos iguais a Deus, e assim cairíamos no mesmo erro do diabo; através dela obteríamos a salvação pelas obras e não pela fé como fora pregada pelo Senhor.
Você acha que essa afirmação é absurda ou exagerada? Então continue lendo as postagens que se seguirão e verá que é a mais pura verdade. O desejo do inimigo é que pereçamos com ele no lago de fogo e de enxofre.
Muitas vidas se perderam nesse engano, e infelizmente muitas ainda se perderão, mas, de nossa parte, faremos o que for possível para impedir que novas vidas se percam no caminho e procuraremos, pelos meios que a Palavra de Deus nos garante, resgatar as vidas que ainda permanecem nas garras do diabo e se isso não bastar, porque não será pela nossa força nem violência como nos ensina a Palavra de Deus, mas pelo Espírito Santo de Deus temos a certeza de que seremos vitoriosos.
O que vemos hoje é o mesmo cenário que ocorria em Israel nos tempos do profeta Oséias e naquela ocasião assim se expressou o Senhor visando alertar o povo:

O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.” (Oséias 4.6)
Que o Senhor possa consolar os corações necessitados de amor e compreensão, esclarecendo-lhes e orientando-lhes acerca do caminho em que devem seguir: Jesus, único Caminho que nos conduz a Deus.
Sempre juntos em Jesus
Antonio Carlos

CONHECENDO O INIMIGO

C omo dissemos anteriormente, estaremos transferindo as postagens referentes ao Tema "Reencarnação- Farsa ou Realidade?" que hav...